fbpx

O inglês é a língua adicional mais falada no mundo. A sua evidente importância na formação do cidadão do século 21 justifica a atual obrigatoriedade do ensino da língua inglesa a partir do 6º ano do ensino fundamental. No entanto, há orientações sobre o assunto voltadas às instituições regulares, enquanto as bilíngues carecem de regras específicas. Assim, contam com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) como único guia.

O documento do Ministério da Educação (MEC) define as habilidades e competências que os estudantes do ensino básico precisam desenvolver em cada área de conhecimento. No bilinguismo, isso ocorre utilizando o inglês como ferramenta, não como disciplina. No entanto, a BNCC não estabelece objetivos de aprendizagem para a linguagem em termos de proficiência a ser atingida por crianças e adolescentes. Não há parâmetros nacionais de avaliação como IELTS e TOEFL iBT.

Mesmo sob esse contexto, a educação bilíngue tem se expandido no Brasil. Isso porque pais e mães têm compreendido as vantagens da formação em uma segunda língua, acabando por estimular o setor.

Benefícios da educação bilíngue, segundo a BNCC

De acordo com um estudo realizado pela British Council, em 2014 apenas 5,1% da população brasileira falava inglês e 1% considerava-se fluente. É urgente aumentar esta porcentagem, especialmente com o fortalecimento da rede pública, que comporta 80% dos estudantes brasileiros do ensino básico, como afirma o parecer nº 2/2020 do Conselho Nacional de Educação (CNE).

O documento trata das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Bilíngue e ainda não foi homologado pelo MEC. Nele, são apontados benefícios cognitivos, econômicos e sociais dessa formação, como:

  • Maior desenvolvimento da consciência metalinguística (pela percepção da arbitrariedade entre sons e escrita);
  • Maior capacidade de desenvolver criatividade;
  • Incremento dos ganhos sociais e econômicos.

Não faltam pontos a favor do bilinguismo. A própria BNCC indica vantagens da aprendizagem da língua inglesa. Entre elas estão a maior capacidade de pensamento crítico e a ampliação das possibilidades de interação e mobilidade, que abrem novos percursos de construção de conhecimentos e continuidade nos estudos ao longo do ensino básico.

Uma característica importante do ensino bilíngue, segundo o documento do MEC, é a possibilidade de uma educação voltada para a interculturalidade. Desta forma, o ensino do inglês contribui para o reconhecimento e o respeito às diferenças, bem como para a compreensão de como elas são produzidas nas práticas sociais de linguagem. Ao mesmo tempo, o bilinguismo potencializa o envolvimento e a participação ativa dos estudantes em um mundo globalizado e plural. Faz isso ao expandir as capacidades expressivas por meio da promoção de práticas culturais, artísticas e musicais. Ao mesmo tempo, ajuda no atendimento ao princípio de interdisciplinaridade estabelecido pela BNCC.